O América de Cali é o grande campeão do torneio clausura do futebol colombiano, ao vencer neste 07 de Dezembro, o Junior de Barranquilla, que chegava a sua terceira final consecutiva e buscava o tricampeonato. 

O América de Cali foi fundado em 13 de Fevereiro de 1927 e é um dos clubes mais populares do país, visto que teve importante sequência de títulos nos anos 80 e 90. Conquistou sua 14 “estrela” do futebol colombiano, 11 anos depois da última conquista em 2008 e é superado apenas pelo Atlético Nacional de Medellín com 16 títulos e pelo Millonarios de Bogotá, com 15. 

O América esteve durante 5 anos na segunda divisão colombiana, regressou em 2017 e conquistou com méritos o título do futebol colombiano. Na primeira fase, o clube escarlata ficou na 2 colocação com 10 vitórias, 5 empates e 5 derrotas, atrás apenas do Atlético Nacional. Na fase de quadrangular, 3 vitórias, 2 empates e 1 derrota credenciaram os diabos vermelhos a disputar a final contra o Junior de Barranquilla. 

Frente ao Júnior, no jogo de ida em Barranquilla, empate em 0 x 0, mas já com o América melhor em campo. E no jogo de volta, no Estádio Pascual Guerrero, casa do América, o clube escarlata não deu espaços, foi amplamente superior durante todo o jogo e pelo marcador de 2 x 0 venceu a partida e o campeonato. No primeiro gol, cruzamento do lado esquerdo, o goleador Michael Rangel cabeceia e acerta no travessão, mas a bola rebate nas costas do goleiro Sebastián Viera e entra. No segundo gol, Carlos Sierra recebe passe açucarado e só escorou para dentro do gol, 2 x 0 ainda no primeiro tempo. Para o segundo tempo, bastou ao América controlar o jogo e encaminhar a conquista. 

América de Cali, campeão da Colômbia pela 14a vez. 

O América de Cali de Alexandre Guimarães 

Alexandre Guimarães é o primeiro brasileiro a ser campeão como treinador do futebol colombiano. O alagoano de 60 anos, natural de Maceió, atuou como meio campista por 3 clubes, Municipal Puntarenas, Saprissa e Municipal Turrialba, todos da Costa Rica, país onde também se naturalizou. Em sua primeira temporada como treinador no futebol colombiano e a frente do América de Cali, conquistou o título nacional 

Seu time titular contou com os seguintes jogadores: Neto, Daniel Quiñones, Marlon Torres, Juan Pablo Segovia e Edwin Velasco; Rafael Carrascal, Luis Paz, Carlos Sierra e Matías Pisano; Duvan Vergara e Michael Rangel. 

Neto Volpi 

O goleiro brasileiro, natural de SC, formado no Figueirense e ex-goleiro do Santo André e Inter de Lages, é considerado hoje um dos melhores goleiros do futebol colombiano. Já no torneio apertura de 2019 havia chegado a final com o Deportivo Pasto, mas ficou com o vice-campeonato. Foi o primeiro goleiro brasileiro a ser campeão colombiano. 

Daniel Quinõnes

O jovem lateral de apenas 20 anos foi formado no proprio America de Cali e é titular pela primeira vez. Conquistou seu primeiro título do futebol profissional colombiano. 

Marlon Torres

O zagueiro central colombiano de 25 anos tem na sua força física e na sua liderança dentro de campo suas principais virtudes. Ganha muitas bolas pelo alto, é rápido em transições defensivas. Conquistou sua terceira “estrela”, visto que ja havia conquistado duas vezes o título pelo Atlético Nacional de Medellin. 

Juan Pablo Segovia 

O zagueiro argentino formado no Lanús, chegou no América este ano, vindo do Independiente del Valle do Equador. Capitão do time e principal liderança dentro de campo, o zagueiro deu segurança e consistência ao time. E levantou o caneco.

Edwin Velasco 

O lateral colombiano Edwin Velasco foi campeão da Copa Libertadores e da Recopa pelo Atlético Nacional de Medellín e chegou esta temporada ao America de Cali. Efetivo no apoio, forte na marcação, Edwin Velasco é um lateral com virtudes defensivas e ofensivas. 

Rafael Carrascal 

Um dos grandes nomes da final contra o Júnior, foi eleito o melhor em campo na grande final. O volante Rafael Carrascal conquistou sua segunda estrela pelo futebol colombiano, visto que já havia conquistado o título pelo Tolima em 2018. 

Luis Paz 

Considerado o pulmão do América, o volante colombiano é um personagem único. Formado em eletrônica e mais recentemente em contabilidade (isso mesmo), o volante sonha em ser presidente da federação colombiana de futebol. Incansável dentro de campo, o volante tem como ponto forte o desarme e a interceptação de bola. Foi decisivo para a conquista do título pelo América de Cali. 

Carlos Sierra 

O meio campista Carlos Sierra marcou o segundo gol na vitória frente ao Junior. O meia colombiano chegou ao América para essa temporada, vindo do Deportes Iquique do Chile. Antes, havia jogado no Deportivo Lara, da Venezuela, onde conquistou o campeonato nacional venezuelano. Conquista seu primeiro título no futebol colombiano. 

Matías Pisano 

O meia argentino também chegou ao América para essa temporada, depois de 2 temporadas no Aldosivi da Argentina. O meia (ex-Cruzeiro e Santa Cruz, no Brasil) foi substituído por lesão no jogo decisivo, mas enquanto esteve em campo foi perigoso e preciso em passes de contra ataque. 

Duvan Vergara

O atacante colombiano de 23 anos conquistou seu primeiro título nacional. Foi importante durante todo o campeonato, mas na final foi um guerreiro, que desde o primeiro minuto foi para cima da defesa adversária e no segundo tempo soube cadenciar o jogo e usar o desespero adversário a seu favor. Um dos grandes nomes da conquista escarlata. 

Michael Rangel 

O atacante marcou 14 gols e foi o goleador do América e do campeonato. O atacante que já havia jogado em outros 10 clubes da Colômbia finalmente chegava ao América para conquistar sua terceira “estrela” do futebol colombiano. Decisivo, matador e preciso, o atacante foi o grande nome do campeonato como um todo. 

A maldição de Garabato 

Quando o América de Cali tomou a decisão de profissionalizar o futebol, em 1948, o ex-jogador e diretivo do clube, Benjamín Urrea, mais conhecido por Garabato, contrário a essa decisão, proferiu as seguintes palavras: “Que transformem o América em um clube profissional, que façam o que quiser, mas eu juro por Deus que o América nunca será campeão”. 

Coincidência ou não, durante 30 anos os Diabos Vermelhos não conquistaram nenhum título.Assim, em 1978, 30 anos após a maldição, foi realizada uma missa com a participação do próprio Garabato, onde o mesmo “cancelou” sua maldição. E incrivelmente, em 1979, o América conquistaria seu primeiro título profissional colombiano, sob direção do técnico Gabriel Ochoa Uribe e com grandes jogadores no elenco como Juan Manuel Battaglia, Gerardo González Aquino Alegría Valencia, Aurelio Pascuttini, Américo Quiñonez y Alfonso Cañón. 

E mesmo depois de alguns títulos no futebol colombiano, a maldição parecia manter-se viva. Isso porque o América de Cali chegou 3 vezes consecutivas a final da Copa Libertadores da América e perdeu todas, em 1985, 86 e 87. Mais tarde, em 1996 o América voltaria a disputar a final da Copa Libertadores e novamente ficou com o vice-campeonato, deixando o título nas mãos do River Plate. 

Se a maldição persiste ou não, não sabemos! Mas em 2019, o América de Cali é o grande campeão do futebol colombiano. 

A Lista Clinton e o rebaixamento 

Devido a suspeitas de envolvimento do clube com o narcotráfico colombiano, o América de Cali terminou por ser incluído na “Lista Clinton”, quer era a lista “negra” de empresas o pessoas vinculadas ou relacionadas com dinheiro provenientes do narcotráfico. 

Impedido de ter patrocinadores e com diversos problemas internos administrativos, o América de Cali mergulhou em uma crise esportiva que terminou com o seu rebaixamento a segunda divisão da Colômbia em 2011, justamente quando era o maior campeão nacional com 13 títulos, empatado com Millonarios. 

A agonia da segunda divisão durou 5 anos, ou mais precisamente 1808 dias, até que em um jogo épico, o América de Cali venceu o Deportivo Quindió e assegurou seu regresso para a primeira divisão do futebol colombiano. 

E assim, em 2017 o América de Cali retornava a elite do futebol colombiano, para em 2019 voltar ao lugar mais alto. Um  gigante está de volta! 

Compartilhe: